share

COMPARTILHAR

3 de July de 2017

#Juventude

Jovens do Mirim são eleitos para integrar Conselho de Juventude do Recife

Uma jovem e um jovem do Mirim Brasil foram eleitos para compor o Conselho de Políticas Públicas de Juventude do Recife. A votação ocorreu no último sábado, dia 1º de julho. A posse dos novos conselheiros será em agosto, para um mandato de dois anos (2017-2019).  

Nina Moura, 19, e Filipe Antonio Araujo, 25, vão ocupar duas das 16 vagas destinadas a representantes da sociedade civil. Ao todo, o conselho é formado por 25 membros titulares, sendo oito da Prefeitura do Recife e um da Câmara de Vereadores, além de 25 suplentes.

Durante os próximos dois anos, Nina e Filipe terão como missão principal monitorar de perto, por meio do conselho, a implementação do primeiro Plano Municipal de Juventude do Recife.

O documento foi transformado em lei municipal e sancionado pelo poder executivo da cidade em dezembro de 2016. O plano foi elaborado por um grupo de trabalho, do qual o Mirim Brasil fez parte junto com diversas outras organizações, e pela Secretaria Municipal de Juventude e Qualificação Profissional e o Conselho Municipal de Políticas Públicas de Juventude.

“Nós vínhamos acompanhando o processo do plano municipal desde a sua elaboração, aprovação na Câmara até a sanção pelo prefeito. Agora estaremos na tarefa de garantir a sua implementação junto ao poder público”, afirma Filipe.  

“Nós também pretendemos tornar o conselho mais próximo de quem não está dentro dele em si, para que os pleitos e os interesses desses e dessas jovens possam ser atendidos através do nosso mandato”, declara Nina.

Filipe acrescenta que “nesses tempos de negação da política pela população não ‘organizada’, o conselho terá a difícil tarefa de chamar o público jovem para o debate e somar forças na defesa por direitos”.

Plano Municipal de Juventude do Recife

O plano municipal determina, para o período dos próximos dez anos, diretrizes que devem orientar as ações da Prefeitura do Recife voltadas para as juventudes da cidade. O documento está organizado em dois macro-vetores: vivência juvenil e transição para a vida adulta.

O plano também reforça os direitos da juventude no Brasil, como educação, saúde profissionalização, trabalho, diversidade, igualdade, cultura, lazer, cidadania, participação social e política, comunicação, liberdade de expressão, mobilidade, direito à segurança pública e à Justiça.